As vantagens de viver na Alemanha – depois de 12 anos

A vida no exterior é cheia de desafios e aprendizados, e depois de 12 anos vivendo na Alemanha consigo usufruir de todas as vantagens que morar num país como esse proporciona. Por outro lado, a distância e as diferenças culturais trazem consigo desvantagens que também precisam ser ditas.

Antes de qualquer comentário do tipo: “Ah, mas eu vivo/vivi aí e não é assim”, vale dizer que essa é uma lista baseada em uma experiência pessoal. A minha experiência depois de mais de 10 anos vivendo, estudando e trabalhando na Alemanha. Portanto, a sua experiência pode ser diferente, o que não invalida a minha. Combinado?

SEGURANçA

É um clichê mas não tem como não começar por isso. Eu vivia em São Paulo, nasci e cresci na periferia da cidade e infelizmente a violência era parte do cotidiano. No passar dos anos, vi amigos e conhecidos morrerem ou serem presos. Chegar tarde em casa era pedir pra ser assaltado. A violência urbana era tão disseminada que muita gente tratava isso como o normal.

Isso não quer dizer que não exista violência na Alemanha. Há roubos, assassinatos, tráfico de drogas, mas tudo isso em uma escala MUITO menor que no Brasil. Vivo em Berlim, a maior cidade da Alemanha e mesmo aqui é possível viver um dia-a-dia tranquilo, não importa onde você more e quão tarde precise chegar em casa. E essa segurança (não só a sensação, mas a segurança de fato) muda tudo.

QUALIDADE DE VIDA

Também ligada a segurança, mas inclui alguns outros fatores. No Brasil cresci vendo e experienciando que qualidade de vida é pra quem pode pagar por isso. Morar num condomínio fechado, viver em um bairro nobre, ter um carro blindado. Ter acesso a esporte, cultura e educação de qualidade.

Na Alemanha aprendi que isso não é qualidade de vida. Se você mora no Brasil em um condomínio fechado e pode pagar uma boa escola para seus filhos, você não tem qualidade de vida. Você vive numa bolha. Qualidade de vida engloba uma comunidade, e é esse modelo que vigora na Alemanha. Independente da renda, a saúde, a educação, a cultura, a moradia digna e bens materiais são acessíveis a todos.

AS COISAS FUNCIONAM

Sim, aqui na Alemanha pagamos muitos impostos, mas vemos isso revertido em serviços públicos. O governo alemão está a serviço da população (isso está escrito na Constituição) e diferente do Brasil, promessas de campanha não cumpridas, desvio de dinheiro público, entre outros, pegam muito mal para políticos e partidos (vão presos inclusive).

Assim vemos o governo trabalhando e oferecendo à população educação, saúde, transporte, infraestrutura de qualidade, pois há uma cobrança e controle muito grande para que isso seja feito da forma correta. A Alemanha tem sim seus defeitos, mas aqui eu pago meus impostos sem reclamar, pois sei que eles serão revertidos para mim e para outros da forma devida.

PODER DE COMPRA

Acho que poucas frases resumem melhor o poder de compra que se tem na Alemanha do que essa:

“No Brasil você é o que você tem. Na Alemanha, você é o que você é, porque todo mundo tem.”

Enquanto no Brasil eu só pude ter o que queria comprar quando comecei a ganhar relativamente bem, na Alemanha todo mundo que trabalha tem acesso a bens de consumo. Eu disse todo mundo. Sim, quem é garçom num café pode comprar um iPhone, quem é atendente de loja pode passar as férias em Ibiza, quem trabalha num escritório pode comprar carro zero.

Eu estou falando em comprar e poder pagar por isso, e não financiar em 60 meses como muitos fazem no Brasil. O poder de compra na Alemanha é muito maior do que no Brasil. Só para você ter uma idéia, para comprar um iPhone 13 Pro Max no Brasil quem ganha salário mínimo precisa trabalhar mais de 7 meses. Na Alemanha, o mesmo aparelho pode ser comprado por quem ganha salário mínimo com pouco mais de 2 semanas de trabalho.

INDIVIDUALIDADE

Uma coisa que pouco se discute e acho importantíssima é o respeito à individualidade que se tem na Alemanha. O sentimento que tenho aqui é de que as pessoas são adultas e respeitam você do jeito que você é, e talvez o mais importante: sabem ouvir não.

Como já mostrei nesse texto, os alemães não falam “não” por falta de respeito, mas sim porque conhecem suas prioridades e interesses. Se você fala sim pra tudo, acaba deixando de lado as suas prioridades e planos para atender às necessidades dos outros. Ou seja, alguém vai decidir o que é prioridade pra você, e isso os alemães não querem.

Respeitar o que as pessoas dizem e querem (ou não querem) faz muita diferença na sua vida e convívio com amigos, família e colegas de trabalho. Ninguém se sente pressionado a fazer o que não quer, ser o que não é. Você é você e faz o que quer, desde que respeite os outros. E todo mundo está bem com isso.

2 comentários Adicione o seu

  1. Rogerio Miranda disse:

    Concordo com tudo. Muito bom seus comentários. Parabens.

    Curtir

  2. Obrigado Rogerio. Espero que também goste dos outros textos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s